Brazil

​​HousingPact convoca 18 startups da cadeia estendida da habitação para programa de aceleração



Em uma segunda etapa da iniciativa, seis negócios receberão aporte de R$ 10 mil cada e implementarão seus projetos no Jardim Ibirapuera, em São Paulo.


Dezoito startups com atuação na cadeia estendida da habitação, de um universo de 38 empresas inscritas, foram selecionadas para a primeira fase do programa de aceleração HousingPact. Iniciativa de impacto social que reúne ArcelorMittal, BASF, CBMM, Duratex, HM Engenharia, InterCement, Instituto InterCement, Tetra Pak e a Fundação Espaço ECO, o HousingPact busca melhorar condições de moradias em áreas com infraestrutura precária e contribui para fomentar os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODSs), da Organização das Nações Unidas (ONU). Os projetos selecionados para a segunda etapa serão implementados na comunidade do Jardim Ibirapuera, em São Paulo.

As 18 selecionadas são pequenas empresas da cadeia estendida da construção. Além dos segmentos de reforma e moradia, as empresas atuam também nos segmentos de destinação e tratamento de resíduos, eficiência energética, tratamento de água, espaços públicos, reciclagem, comunicação, legalização e crédito residencial. São elas: Programa Vivenda, EnGuia, Laminatus, Moradigna, Isobloco, Pwtech-Água Boa, Cooperativa Coletando, Outdoor Social, Nossa Casa, Erê Lab, SmartSíndico, Trashin, Firgun Tecnologia Social, Cooperativa Recifavela, Construfac - Faculdade da Construção Civil, ÁguaV Engenharia e Projetos, Módulo Sequência e Morada da Floresta Soluções Ecológicas. Metade das finalistas vem do ramo da construção e reformas, segmento seguido de coleta e destinação de resíduos, com 22% de participação.
  
Esse grupo ficará em aceleração até dezembro. Até lá, as empresas receberão mentoria, sob coordenação do Impact Hub. "Esses 18 negócios selecionados terão a oportunidade de adaptar e testar suas soluções, buscando ao final da aceleração, em maio de 2020, a validação de novos produtos e serviços com potencial de contribuição para a experiência do morar não somente no Jardim Ibirapuera, mas em tantas outras regiões periféricas com os mesmos desafios sociais”, afirma Olga Simantob, coordenadora de aceleração do Impact Hub.  Em 2020, serão selecionados seis negócios para uma nova fase do programa. As finalistas receberão um aporte de R$ 10 mil reais cada (total de R$ 60 mil).


Ecossistema saudável 

O HousingPact foi idealizado para ajudar a desenvolver um ecossistema saudável e que melhore a qualidade de vida de comunidades com moradias vulneráveis. Atualmente, mais de 12 milhões de pessoas vivem em comunidades vulneráveis, sendo que 89% deste total, cerca de 10,6 milhões, estão concentrados em grandes centros urbanos. Essa população é maior do que a de nove das dez capitais mais populosas do Brasil, como Rio de Janeiro, Brasília, Salvador, Fortaleza, Belo Horizonte, Manaus, Curitiba, Recife, entre outras. 

Dados indicam que 3,8 milhões de pessoas querem empreender e que, do total destes moradores, pelo menos, 3,4 milhões têm a intenção de investir na melhoria das suas moradias. Enquanto o déficit de moradias no Brasil chega a 6 milhões de domicílios, o número de habitações com condições vulneráveis é muito maior, próximo a 11 milhões. Os dados são do Censo IBGE, PNAD, IPEA e Data Favela.

Com este cenário, o objetivo do HousingPact é melhorar as habitações de comunidades e impactar positivamente na experiência de moradia dessa população. Adicionalmente, o projeto também tem capacidade de potencializar a cadeia estendida ligada ao setor da habitação que, eventualmente, já faz parte da própria comunidade.  

O programa contribui para fomentar e implementar o ODS 17 – Objetivos do Desenvolvimento Sustentável: Parcerias e Meios de Implementação; que faz parte de uma agenda mundial adotada durante a Cúpula das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável em setembro de 2015 composta por 17 objetivos e 169 metas a serem atingidos até 2030. 

Como funciona o HousingPact

O HousingPact consiste num programa de aceleração de startups e novos negócios que possam atender às demandas da população das classes C, D e E, em reformas, espaços públicos, destinação de resíduos, água, saneamento, energia, microcrédito habitacional e segurança, entre outras.

Uma chamada pública convocou startups para realizarem suas inscrições. Do total de 38 negócios inscritos, foram selecionadas 18 empresas que se destacaram nos critérios de maturidade em gestão e potencial de impacto. Essa é a grande proposta de valor do modelo de aceleração: proporcionar aos negócios a possibilidade de testar e implementar suas soluções com clientes reais, em ambiente orientado, vivenciando a aplicação prática do que projetaram.

Além disso, receberão um módulo de aceleração avançada e customizado às suas necessidades. Esta etapa inclui mentoria e programa de ensino imersivo em formato de workshop e atividades práticas, como intercâmbio com as equipes das empresas apoiadoras e desenvolvimento ou aprimoramento dos projetos, aplicados na prática com a comunidade.

“O HousingPact é um negócio de grande impacto social e foi criado para atender a necessidade da população que hoje vive em moradias inadequadas, e ainda enfrentam falta de infraestrutura. Estas condições agravam os problemas sociais, se tornando um desafio para grandes cidades. Organizadas em rede, as empresas participantes acreditam na geração de valor no setor da habitação, a partir da inovação e lógica de um mercado justo e inclusivo, apoiando negócios para uma demanda desatendida”, esclarece Carla Duprat, diretora do Instituto InterCement.

Entre a chamada pública para pequenas empresas, empreendedores e startups, aceleração dos selecionados e implementação, o projeto tem duração de um ano. Para identificar os temas voltados à jornada da habitação do morador de baixa renda local, a Fundação Espaço ECO realizou um Estudo de Percepção (HotSpot Analysis) que fez um diagnóstico das etapas que contemplam desde a construção e aquisição dos materiais, passando pela compra de equipamentos como eletrodomésticos, contratação de serviços e manutenção de áreas públicas.
  
“Escolhemos essa comunidade, pois já identificamos em diagnóstico que há um ecossistema ativo, alimentado por oferta e demanda, e sustentado com uma rede de comércio, produtos validados e clientes”, afirma Giancarlo Tomazim, Gerente Estratégia Construção e CasaE – Casa de Ecoeficiência da BASF. 

Segundo Daniel Franco, diretor de TI, Desenvolvimento de Negócios e Inovação da Duratex, “o ecossistema brasileiro de construtechs cresceu muito nos últimos anos e temos, no país, diversas startups pensando em construções mais eficientes e buscando soluções para o futuro da moradia, o que está muito alinhado com o nosso propósito de oferecer Soluções para Melhor Viver - acelerar, com um grupo de empresas, startups com esse foco de atuação será muito rico e transformador para todos os públicos envolvidos”.

“Há espaço para o desenvolvimento de novas lógicas de mercado, especialmente quando falamos de pequenas empresas, empreendedores e uma população que ainda não tem um cardápio de produtos e serviços customizados para suas necessidades, como é o caso dos moradores de comunidades vulneráveis em grandes cidades e população de baixa renda”, afirma Elaine Belém, Superintendente de Operações Comerciais da HM Engenharia.

“A ArcelorMittal busca conexões de impacto e estímulo à cultura de inovação. Estamos formando novas parcerias para cocriar os avanços que buscamos e o HousingPact é um exemplo disso. É uma oportunidade única de identificar bons negócios e acelerar soluções que vão beneficiar milhares de pessoas”, afirma Rodrigo Carazolli, gerente-geral de Inovação e Novos Negócios Longos LATAM.

“Adicionalmente, a iniciativa irá promover a utilização de produtos reciclados a partir de embalagens pós-consumo, contribuindo para a sustentabilidade do projeto e para a promoção da reciclagem”, comenta Valéria Michel, diretora de economia circular da Tetra Pak para as Américas. 

"O desenvolvimento de mercado e a busca por soluções sustentáveis sempre fizeram parte dos nossos princípios. Hoje, o Nióbio tem sido utilizado em aplicações estruturais conferindo características de maior desempenho, com grande potencial para um crescimento ainda maior nesse segmento. Aderimos ao HousingPact para incentivar a inovação em projetos de habitação, em parceria com grandes empresas relacionadas ao setor da construção, e acreditamos que essa iniciativa poderá gerar soluções com métodos construtivos mais simples e rápidos, com menor custo de manutenção." – Ricardo Lima, vice-presidente de Operações e Tecnologia da CBMM.

Saiba mais sobre o HousingPact http://www.housingpact.com/